Pilates na terceira idade


 

A atividade física ajuda na prevenção de quedas e no ganho de equilíbrio.

A perda de massa óssea e muscular, a fraqueza e as dores no corpo são apenas algumas características do envelhecimento. Porém, é possível chegar à terceira idade com saúde por meio dos exercícios de pilates.


Em casos de falta de equilíbrio e risco de quedas, a atividade física toma uma papel importante na prevenção dos problemas e na melhora da capacidade muscular dos idosos. Saiba mais sobre as vantagens de adotar os exercícios de pilates após os 60 anos. 

Benefícios dos exercícios de pilates

O método foi criado por Joseph Pilates e chamado inicialmente de contrologia, com o objetivo de desenvolver um corpo uniforme, corrigir posturas inadequadas, restaurar a vitalidade física e vigorar a mente e o espírito.

Os princípios básicos seriam a respiração, a concentração, a estabilização, o controle, a precisão e a fluidez. Os exercícios de pilates trabalham forçaflexibilidade e consciência corporal com movimentos coordenados com a respiração, com o foco na perfeita execução, não na quantidade de repetições.

Além disso, ao praticar a atividade, é possível notar o ganho de força, a melhora da flexibilidade e do equilíbrio dinâmico, a diminuição de dores nas costas e a melhora da postura. Ainda, a prática auxilia na manutenção da pressão arterial, colabora para a calcificação óssea e ajuda no controle do peso.

O
 método que trabalha com a profundidade da musculatura se chama Power House, ou centro de força. Ele mexe com músculos como os do cinturão abdominal, os oblíquos internos, assoalho pélvico e eretores da coluna. 

Melhores exercícios de pilates para idosos

O método pilates trabalha o individuo nas suas particularidades e, por conta disso é tão indicado a pessoas acometidas de patologias. Ele trata da pessoa de forma direcionada para superar suas limitações. Trabalha ampliando a gama de movimentos e proporcionando gestos mais eficientes e estáveis.

Independentemente da atividade, ela não gera sobrecarga ou gasto energético desnecessário. O indivíduo aprende a sentir o músculo que está sendo utilizado para cada movimento e a usar o corpo de forma eficiente e segura, de acordo com suas necessidades e limitações.