Atividades para a rotina de estimulação da pessoa com Alzheimer


 

– Leitura: 

Livros, jornais, revistas: esses recursos podem ser úteis para estimular todas as habilidades cognitivas relacionadas a leitura, afinal para essa atividade aparentemente simples tudo começa com o reconhecimento de letras, sílabas e palavras, para pelo processamento de frases e parágrafos até chegar na compreensão do texto. Usando a leitura, o cuidador pode estimular o conhecimento prévio do leitor sobre o assunto, estimulando a linguagem e a mémoria. Habilidades de compreensão e raciocínio são necessários para a interpretação do texto. Sendo assim, pacientes capazes de atingir esse nível de processamento da informação, devem ser requeridos pelo cuidador a interpretar o texto lido.  

 

– Ouvir música

A música pode ser relaxante, ou seja, nos momentos de agitação, é uma excelente ferramenta para o cuidador quando ele quer mudanças de humor no idoso. Como recurso de estimulação pode-se usar a música pedindo a ele para bater palmas, assoviar ou bater os pés, sendo uma forma de “perceber” o corpo e de estimular o ritmo. 

 

– Ver fotografias:

Ter fotografias significativas emolduradas pela casa é ter um recurso útil para quem cuida. Fotos emolduradas e albúns de fotografia podem ser constantemente utilizados pelo cuidador para estimular a memória dessas pessoas. O reconhecimento de faces, de lugares e de situações pode ser conseguido por meio da fotografia. Discutir lembranças é uma estratégia que até hoje se usa na “terapia de reminiscências” que consiste em usar fotografias, objetos familiares e músicas para obter benefícios cognitivos e comportamentais. 

 

 

– Exercícios Cognitivos

Os exercícios cognitivos podem ser orientados pelos terapeutas que trabalham com o idoso e contemplarão habilidades de memória, atenção, raciocínio e etc que devem ser estimuladas. Existem alguns materiais que podem ter exercícios interessantes para esse grupo, alguns que desafiam as habilidades cognitivas com temáticas mais gerais e outros com temáticas mais específicas e focadas na história, rotina, hábitos e interesses dos idosos.  

Essas atividades que citamos, devem fazer parte da rotina da pessoa com Alzheimer. Aliás, rotina é importantíssimo para esses casos, ajuda a orientar.